A Vila de Noel – um bairro musical

A historiadora Lili Machado conta da formação do bairro de Vila Isabel

NOEL ROSA

em 2 de junho de 2012

Nasceu em 11 de dezembro de 1910, na Rua Teodoro da Silva 30, hoje 392, em Vila Isabel.

Era filho de Manuel Garcia de Medeiros Rosa e Martha Corrêa de Azevedo. Por parte de pai era neto de Manuel Garcia da Rosa e Belarmina de Medeiros e, por parte de mãe, de Eduardo Corrêa de Azevedo e Rita de Cássia Corrêa de Azevedo.

Seu nascimento foi difícil, pesava quatro quilos. Os médicos, diante das dificuldades do parto, resolveram usar o fórceps. O menino foi extraído a ferro e traumatizado com fratura do maxilar inferior, originando o defeito que se acentuava a proporção que crescia. Várias foram as tentativas de correção, sem sucesso.

Noel crescia frágil e mirrado. Amava a rua, a confusão dos amigos, as pipas, os piões e os balões. Era, também, artista de estribo de bonde. Menino alegre e de gênio bom.

Os saraus em sua casa eram constantes. Sua mãe tocava bandolim; seu pai, violão; sua madrinha, piano; sua tia, violino. As crianças participavam, ouvindo.

Foi dona Martha quem iniciou Noel na música ensinando-lhe a tocar bandolim, entretanto, ele sentia-se fascinado por qualquer instrumento, qualquer música e qualquer dança. Seu grande e único sonho era a música.

Noel, aos quatorze anos, já abusava do cigarro, da cerveja, e dos balaústres de bonde onde externava sua malícia, seu deboche, suas graças imaginativas e obscenas. Tocava violão como ninguém. Amava, cada vez mais, a música e a poesia.

Era ex-aluno do Colégio São Bento e chegou a frequentar o 1°. ano da Faculdade de Medicina. Fazia ponto no Café Vila Isabel, do Carvalho, local onde fez grande parte de suas composições, nas madrugadas. Era ali que o encontravam ou deixavam recados para que fizesse serestas e serenatas.

Noel Rosa começa a aparecer com o “Bando de Tangarás” do qual era um dos componentes. Sua primeira aparição em público foi a 27 de junho de 1929, no Tijuca Tênis Clube. Tinha, nessa época, apenas 18 anos.

Nesse mesmo ano, foi lançado no teatro, como compositor, por Eratóstenes Frazão que era jornalista, ator teatral e compositor. Noel já estava com 29 músicas compostas, inclusive “Com Que Roupa?” cuja melodia foi modificada por Homero Dornellas e a letra melhorada por Nássara, seu grande amigo.

Noel tinha suas esquisitices, uma delas era não gostar de andar em grupo, motivo pelo qual se afastava, quanto podia, do “Bando dos Tangarás”. Queria ser independente. A época era favorável à música nordestina por isso todos a cantavam, inclusive os “Tangarás” e Noel Rosa.

Apresentou-se com Renato Murce, fazendo uma embolada que recebeu o nome de “Perna Bamba” mas verificam que sua vocação não estava nesse tipo de música. Era carioca, portanto, do samba.

Em 1929 compôs a música que seria sucesso – “Com Que Roupa?” que retratava o Brasil da época, cheio de dificuldades, com o povo quase na miséria. Segundo Noel, o “Brasil de Tanga”.

O samba explode em todo o país no carnaval de 1930 e aparece na boca do povo, surpreendendo até seu autor. A expressão – com que roupa? – passou a fazer parte do vocabulário do carioca, nas dificuldades.

Aconteceu que, antes mesmo do sucesso o cantor Ignácio Guimarães ofereceu a Noel a importância de l80 mil réis pela aquisição da música, o que foi aceito. Dessa forma, o cantor tornou-se dono do samba mais cantado no Brasil. A partir do “Com Que Roupa?”, Noel compôs sem limite. Bastava surgir um tema para que nascesse uma letra de música.

O carnaval, em Vila Isabel, era um dos melhores do Rio de Janeiro. O bairro além das Batalhas de Confete competia com blocos de outros bairros em desfiles com premiações. Vila Isabel possuía dois blocos: o Cara de Vaca, formado pela turma da Rua Souza Franco / Torres Homem; e o Faz Vergonha, formado pela turma da Rua Maxwell, próximo à Fábrica Confiança, do qual Noel fazia parte. Dizem que o nome do bloco originou-se do comportamento de Noel Rosa que estava sempre com brincadeiras, fazendo vergonha.

Em Vila Isabel nasceu o bloco dos Vassourinhas, bloco de frevo, dirigido pelo sr. Luís Alves. Da Rua Petrocochino saía o bloco de Reis.

Noel começa a emagrecer e demonstrar cansaço. Dona Martha observa o filho e se preocupa, mas não consegue tirá-lo da rua nas madrugadas. Dr. Edgard Graça Mello, médico da família, é chamado e detecta a doença: estava com lesão no pulmão direito e já começando no esquerdo.

Noel amava as mulheres. Seus grandes amores foram, Clara Corrêa Netto, Fina (Josefina Telles Nunes) e Ceci (Juraci Correia de Morais) por quem se apaixonou, verdadeiramente. Casou-se, entretanto, com Lindaura, uma sergipana que morava na Rua Maxwell, em 1934.

Foi nos braços de Lindaura que Noel Rosa faleceu em 4 de maio de 1937, na mesma casa onde nasceu, aos 27 anos.

FEITIÇO DA VILA – letra de Noel Rosa e música de Vadico

Quem nasce lá na Vila / nem sequer vacila / ao abraçar o samba

Que faz dançar os galhos do arvoredo / e faz a lua nascer mais cedo

Lá em Vila Isabel / quem é bacharel / não tem medo de bamba

São Paulo dá café / Minas dá leite / e a Vila Isabel dá samba

A vila tem um feitiço sem farofa / sem pele e sem vintém / que nos faz bem

Tendo nome de princesa / transformou o samba / num feitiço decente / que prende a gente

O sol na Vila é triste / samba lá não assiste / porque a gente implora

Sol / pelo amor de Deus / não venha agora / que as morenas vão logo embora

Eu sei tudo o que faço / sei por onde passo / paixão não me aniquila

Mas tenho que dizer / modéstia à parte / meus senhores / eu sou da Vila

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: